11/01/2011

Ode a batata

És magnífica, batata!
Inspiração divina.
Agradeço sempre a Deus 
por tê-la criado.
Tubérculo elegante e gentil
que nos enriquece a nutrição.
Desde o Éden, iguaria preferida
do Diabo, Eva, Adão.
Não és bela como a berinjela,
mas rica em humildade e atenção.
Ouço com os ouvidos da fé,
das profundezas da terra,
a batata cantando
junto a minhocas e ervas.
Ciente de sua missão.
Ela se oferta aos paladares
 requintados e populares.
 Complexa, se engana quem pensa
que a batata apenas vegeta,
ela vibra incendiada
pela centelha da vida.
Ressalto a sua textura que
lembra a seda mais pura, o leito suave
de um rio em dia de primavera.
A cor lembra corpos
(re)cobertos pelos olhos assanhados
de quem ama,
e é como quem ama que a batata
se entrega, deleitosa, a outros vegetais.
A sua pureza realça ainda mais,
com o toque sutil do azeite extra-virgem.
É assim que te vejo e que te amo
batata.
renatabomfim

Um comentário:

Renata Bomfim disse...

circulando na net encontrei uma Ode à cebola, escrita por Pablo Neruda. Não sei se o escritor era vegano, mas com certeza captou de forma ímpar a essencia da planta.